Pages

sábado, 22 de outubro de 2016

E fazendo assim...


E fazendo assim minha alma foi cortada...
Mutilada pelo pecado, pela decisão que levou muito mais que o meu ovinho azul!

Uma comunhão com Deus foi quebrada, no momento em que eu decidi fugir, fugir da minha realidade e buscar abrigo onde não existia abrigo.

Durante os anos seguintes ao aborto da minha princezinha, eu fiquei em silêncio com Deus. Era muito dificil entender como eu tinha conseguido fazer aquilo?
Do perdão de Deus eu nunca duvidei, mas me perdoar não foi fácil. 
Agora eu só conseguia ver uma alma pagã, julgada e condenada.

Envergonhada em sua própria consciência.

O amor ágape, foi apagado! No momento em que a minha alma foi dilacerada... Nem todos os anos de igreja me ajudaram... ter lido a bíblia várias vezes não foi o suficiente para cicatrizar.

Não tive forças para procurar ajuda. Não tive forças para levantar e caminhar.

Olhar para mim todas as manhãs e as tardse me condenavam, não os outros, mas a minha consciência todos os meus valores me confrontaram...
E assim me afastei d'Aquele que pode condenar a minha alma, mas estava ali ao meu lado liberando o perdão.


Para dar ao seu povo conhecimento da salvação, Na remissão dos seus pecados. Lucas 1-77
As consequências dessa ação estão na minha alma. Foram dois anos e meio que fiquei distante de Deus, tentando esconder d'Ele a dor da minha alma... Tropeçando nos meus próprios passos, foi o período mais seco da minha alma. Passando sim pelo vale da morte.
Sabe quando você varre para debaixo do tapete a poeira e tenta não ver, foi assim que fiz... E descobri que o pó e o pecado tem algo comum, não ficam escondidos. Incomoda, fere!

Fere a alma!

Muitas coisas se foram, a esperança, a alegria, a paixão pela vida e a comunhão com Aquele que salvou a minha alma e estava ali pronto para me perdoar, pronto para guiar o meu barco.

E eu não conseguia me achegar a Deus e em 2011 ele me surpreendeu, Ele se achegou a mim e no dia 17/05/2011 ás 16:00 horas da tarde descobri que estava grávida do meu segundo filho. Era inacreditável, esperava qualquer coisa do destino, um castigo vindo dos céus mas não uma vida. 
Não estava preparada para receber o perdão e mesmo assim o tive. 
Eu e o Davi temos uma linda história de força, a força do amor, a força do perdão, a força da liberdade e o renascimento da força da esperança.

Sim, sempre existirá esperança, Deus irá mudar sua história.